Em parceria com o complexo eólico Chapada do Piauí, organização atuará em quatro municípios

Seminário realizado em Caldeirão Grande/PI

Em meados de agosto, o Centro de Habilitação e Apoio ao Pequeno Agricultor do Araripe (Chapada) ampliou seus trabalhos para o estado do Piauí. A novidade só foi possível por meio do Projeto Agricultura Familiar e Inclusão Social no Piauí, fruto da parceria do Chapada com o complexo eólico Chapada do Piauí, e tem o apoio da Contour Global, Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Serão beneficiados os municípios de Marcolândia, Caldeirão Grande, Simões e Padre Marcos, localizados no Vale do Itaim.

A iniciativa tem duração de 18 meses e cumpre o objetivo de potencializar o desenvolvimento sustentável das propriedades rurais, atendendo as famílias que estão nas áreas de influência direta dos parques eólicos, através de práticas de cultivo agroecológico de mandioca, que ampliarão a segurança alimentar e a geração de trabalho e renda.

“Esse projeto tem grande importância, sendo o primeiro em parceria com uma empresa privada do setor eólico, o que nos garante a oportunidade de realizar um trabalho em defesa da mandiocultura e da agroecologia, com famílias próximas geograficamente, mas considerando a realidade e a singularidade de quem mora em outro estado e território”, resume o coordenador técnico do Chapada, Tales Matos.

Como parte das atividades previstas, já foram realizados três seminários municipais de apresentação do projeto. Estiveram presentes lideranças comunitárias, agricultores/as familiares e representantes da sociedade civil organizada. Na oportunidade, os participantes puderam conhecer o trabalho desenvolvido pelas instituições executoras nos seus territórios, discutir sobre o cronograma de atividades do projeto e debater sobre a cadeia produtiva da mandiocultura. Em um segundo momento, houve a formação de grupos de trabalho por comunidade, para avaliar as potencialidades e dificuldades locais.

Seminário realizado em Marcolândia/PI

Durante o período de execução do projeto, as famílias agricultoras atendidas poderão participar de capacitações, dias de campo, oficinas, intercâmbios de experiências, produção e plantio de mudas nativas, entre outras atividades. A iniciativa ainda prevê a produção de vídeos documentários, feiras municipais com produtos provenientes da agricultura familiar e materiais de divulgação.

Em relação aos resultados esperados a partir da intervenção do projeto, o Chapada e a Chapada do Piauí apostam na recuperação da fertilidade dos solos e da vegetação nativa degradada; ampliação das práticas de cultivo consorciado de mandioca implantadas nas propriedades rurais e outras técnicas de convivência com o Semiárido; diversificação de produtos alimentícios feitos à base de mandioca; geração de trabalho e renda para as famílias; realização da coleta seletiva de lixo e uso apropriado do lixo orgânico; aquisição do selo de produto da agricultura familiar por grande parte das famílias beneficiárias, entre outros.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

limpar formulárioPostar Comentário