Por Kátia Rejane* e Mariana Landim**

Na última segunda-feira (15), aconteceu uma Audiência Popular em defesa da aposentadoria no Salão Paroquial São Sebastião, município de Ouricuri (PE). A iniciativa partiu da Articulação Semiárido de Pernambuco (ASA-PE), Frente Brasil Popular do Araripe e Polo Sindical do Araripe/Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado de Pernambuco (Fetape).

Foto: Mariana Landim

A audiência reuniu cerca de 300 pessoas, entre integrantes de associações rurais, sindicatos de trabalhadores rurais (STRs), conselhos de desenvolvimento rural, organizações não governamentais, movimentos de mulheres e de juventudes do Araripe, entretanto grande parte dos representantes dos poderes executivo e legislativo do estado e municípios da região não compareceu.

No primeiro momento da audiência, o advogado dos STRs de Ouricuri e Bodocó, João Paulo Pedrosa, destacou os principais pontos da Medida Provisória (MP) 871/19 e a PEC 06/19 da Reforma da Previdência. De acordo com Pedrosa, o governo federal segue firme no propósito de retirar todos os direitos conquistados ao longo da história pelos trabalhadores e trabalhadoras que vivem no campo, idosos, mulheres e grupos vulneráveis.

Vera Guedes / Foto: Mariana Landim

Para a representante do Fórum de Mulheres do Araripe, Vera Guedes, somente a pressão popular, a articulação no congresso e a organização dos movimentos sociais pode barrar a aprovação da Reforma da Previdência. “Precisamos nos unir, nos fortalecer. As mulheres pobres e negras serão as mais atingidas numa eventual reforma. Além disso, teremos o aumento da miséria e da fome principalmente na região semiárida”, enfatiza.

Em plenária, os participantes puderam aprofundar as principais questões que envolvem a Medida Provisória e a Reforma da Previdência do Governo Bolsonaro. Além disso, ficou encaminhado que a região do Araripe irá ampliar o debate com outros setores e pressionar os parlamentares que aparecem com posicionamento indefinido no congresso em relação à votação da reforma.

“A participação das organizações foi muito boa. Tínhamos uma expectativa maior da participação de vereadores/as e prefeitos/as do território. Mas os que estiveram presentes se pronunciaram a favor da classe trabalhadora, inclusive se comprometeram em conversar com os deputados que eles apoiaram nas últimas eleições”, afirmou Paulo Pedro de Carvalho, da coordenação do Centro de Assessoria e Apoio a Trabalhadores/as e Instituições Não Governamentais Alternativas (Caatinga).

Foto: Mariana Landim

O encerramento da audiência ficou marcado pela assinatura de um manifesto pelos participantes. A ideia é que o documento seja entregue aos deputados federais de Pernambuco.

*Comunicadora do CAATINGA
**Comunicadora da ONG Chapada

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

limpar formulárioPostar Comentário