Foto: Mariana Landim

Na última quarta-feira (19), a Articulação Semiárido Pernambucano (ASA-PE) realizou um intercâmbio com foco na temática de Educação Contextualizada, na sede do Centro de Habilitação e Apoio ao Pequeno Agricultor do Araripe (Chapada), município de Araripina, Sertão do Araripe. A atividade faz parte de um projeto apoiado pela Kindermission e teve o objetivo de compartilhar o envolvimento e a contribuição de professores/as na construção de experiências exitosas desenvolvidas nas escolas rurais de Pernambuco.

Foto: Mariana Landim

O intercâmbio iniciou com uma apresentação dos participantes e em seguida foi feito um debate sobre o papel da educação contextualizada na construção de novas perspectivas para o Semiárido nordestino. Em um segundo momento foram apresentadas experiências de escolas assessoradas pelo Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá, Centro de Assessoria e Apoio a Trabalhadores e Instituições Não Governamentais Alternativas (Caatinga), Serviço de Tecnologia Alternativa (Serta) e Centro Diocesano de Apoio ao Pequeno Produtor (CEDAPP).

O ponto em destaque de todas as experiências socializadas em plenária foi a transformação vivenciada a partir da construção da cisterna de placa – que tem capacidade para guardar até 52 mil litros de água – na rotina da escola e da comunidade escolar, que permitiu o acesso à água potável para o consumo e para o preparo da merenda. Para além disso, algumas escolas estruturaram canteiros de hortaliças para o consumo dos/as alunos/as.

Foto: acervo ONG Chapada

No final do primeiro dia, o Chapada apresentou o vídeo institucional 25 anos de luta e resistência sertaneja. A manhã do dia seguinte iniciou com um trabalho em grupo. A ideia era registrar e discutir alguns questionamentos referentes às práticas de educação contextualizada em cada escola. Logo após a apresentação dos trabalhos, foi feita uma discussão sobre a proposta de reforma da previdência do governo, com um olhar mais específico para os prejuízos causados à classe dos/as professores/as da rede pública de ensino.

Foto: acervo ONG Chapada

Para a coordenadora de projetos do Chapada e responsável pela condução do intercâmbio, Valéria Landim, a atividade possibilitou ampliar os conhecimentos. “Foi uma oportunidade de reunir professores/as de várias escolas de Pernambuco para partilhar vivências de plantio de mudas e hortaliças, coleta seletiva, reciclagem e até pesquisas envolvendo a comunidade para melhor conhecer as características do ambiente e dos recursos naturais disponibilizados. De um modo geral, o intercâmbio serviu para convergir os saberes, ao mesmo tempo em que identificamos que o aluno se apropria do contexto em que está inserido, e desenvolve uma identidade e sentimento de pertença ao mundo rural”, explica Valéria.

O intercâmbio se encerrou com uma avaliação em plenária.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

limpar formulárioPostar Comentário